Atenção em Saúde Coletiva

por Chrystian R. Campos
Publicado: 10/09/2019 - 15:31
Última modificação: 17/12/2021 - 13:40

Sobre a Área de Concentração de Atenção em Saúde Coletiva

O Programa de Atenção em Saúde Coletiva foi criado em 2013 com o objetivo de desenvolver e qualificar profissionais para analisar criticamente as características dos processos geradores dos problemas e questões de saúde, suas relações com a organização social e as alternativas de solução, desempenhando funções de coordenação, organização, planejamento e gestão em saúde na Rede do Sistema Único de Saúde, associando conhecimento técnico de qualidade com habilidades que lhe garantam autonomia decisória e criatividade gerencial frente a enorme diversidade e complexidade das realidades locais. Desta forma, o programa se organiza para ofertar no primeiro ano atividades típicas de profissionais da Rede SUS, em especial no campo da Atenção Primária em Saúde, e no segundo ano atividades de gestão em saúde.

 

Perfil do Profissional de Saúde Egresso

•Atuar em equipes multidisciplinares na perspectiva da interdisciplinaridade, pautado nos princípios do SUS, aprimorando as competências específicas das profissões;
•Planejar intervenções considerando a individualidade e o viver em coletividade dos cidadãos e seu entorno social, de forma ética e adequada às suas necessidades;
•Identificar nos diferentes níveis de atenção à saúde, mecanismos gerenciais que possibilitem alcançar as metas da integralidade e resolutividade da atenção em saúde,atuando em rede de atenção;

•Desenvolver pesquisas e socializar o conhecimento, com ética e responsabilidade social, buscando contribuir no aperfeiçoamento do SUS e suas políticas setoriais, com ênfase nos grupos vulneráveis;
•Avaliar as competências técnicas e recursos materiais e de infraestrutura disponíveis e almejados para cumprir as
exigências impostas na atenção à saúde em rede, com ênfase na atenção primária em saúde (estratégia de saúde da família), atenção de média complexidade, em urgências e emergências e nos programas de alta complexidade existentes nos hospitais e possíveis expansões.
• Os profissionais devem possuir, também, competências técnico-científicas, ético-políticas, sócio-educativas contextualizadas que permitam:
• Atuar com competência profissional na sua área de concentração garantindo segurança e qualidade na atenção ao usuário, eficiência na utilização dos recursos da instituição, melhoria nos processos de trabalho e desenvolvimento científico de sua profissão; 
• Atuar profissionalmente, compreendendo a natureza humana em suas dimensões e em suas expressões;
• Incorporar o conhecimento científico como instrumento de interpretação profissional; 
• Estabelecer novas relações com o contexto social, reconhecendo a estrutura e as formas de organização social, suas transformações e expressões; 
• Desenvolver formação técnico-científica que confira qualidade ao exercício profissional;
• Reconhecer a saúde como direito e condições dignas de vida e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e clínicos-reabilitadores, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; 
• Ser capaz de diagnosticar e solucionar problemas de saúde, de comunicar-se, de tomar decisões, de intervir no
processo de trabalho, de trabalhar em equipe e de enfrentar situações em constante mudança; 
• Reconhecer as relações de trabalho e lazer sua influência na saúde;
• Atuar como sujeito no processo de formação de recursos humanos para atenção a saúde;
• Considerar a relação custo-benefício nas decisões dos procedimentos na saúde; 
• Assumir o compromisso ético, humanístico e social com o trabalho multiprofissional em saúde. 
• Promover estilos de vida saudáveis, conciliando as necessidades tanto dos seus clientes/pacientes quanto às de sua comunidade, atuando como agente de transformação social; 
• Usar adequadamente novas tecnologias de informação e comunicação para melhorar a assistência ao usuário;

• Identificar as necessidades individuais e coletivas de saúde da população, seus condicionantes e determinantes;
• Prestar assistência compatível com as diferentes necessidades apresentadas pelo indivíduo, pela família e na coletividade no âmbito de sua atuação;

• Gerenciar o processo de trabalho no âmbito de sua atuação com princípios de Ética e de Bioética, com resolutividade tanto em nível individual como coletivo;

• Planejar, implementar e participar dos programas de formação e qualificação contínua dos trabalhadores de sua área de atuação;
• Desenvolver, participar e aplicar pesquisas e/ou outras formas de produção de conhecimento que objetivem a qualificação da prática profissional;
• Respeitar os princípios éticos, legais e humanísticos da sua profissão;
• Interferir na dinâmica de trabalho institucional, reconhecendo-se como agente desse processo;
• Participar da composição das estruturas consultivas e deliberativas do sistema de saúde referentes a sua área de atuação; 
• Assessorar órgãos, empresas e instituições em projetos de saúde;
• Cuidar da própria saúde física e mental e buscar seu bem-estar como cidadão e como profissional; 
• Reconhecer o seu papel social de atuação em atividades de política e planejamento em saúde.


Carga Horária:

Duração do Programa: 24 meses 
Carga Horária: 60 horas semanais

Carga Horária Total: 5760 horas
Carga Horária Prática (80%): 4608 horas
Carga Horária Teórica e Teórico-Prática (20%): 1152 horas


OBS: O Programa de Residência exige do Profissional de Saúde Residente a dedicação exclusiva, ou seja, durante a residência não podem ser desenvolvidas outras atividades como Doutorado, Mestrado Acadêmico e Especializações.

 

AS VAGAS SÃO OFERTADAS CONFORME A DISPONIBILIDADE EM RECEBER NOVOS RESIDENTES OCORRENDO MUDANÇAS A CADA NOVO EDITAL
 

Coordenadora da Área 

Dra. Joana D'arc Vieira Couto Astolphi 

 

Vice-Coordenadora da Área